A Fórmula para o sucesso? Estar presente.

Estar presente é uma parte bem pequena de nossas vidas. Quando não estamos intensamente engajados numa ação ou pensamentos, ou quando não estamos concentrados, daí é quando realmente estamos presentes.

Quando damos um passo atrás e observamos nossas vidas a distância, nosso tempo se divide em modos: fazer, pensar e estar presente no momento. Desses três modos de viver, operamos em primeiro lugar no modo “fazer”. Seja no trabalho, hobby ou conversando, a maioria dos nossos dias é concentrado em ações. O segundo modo de viver mais comum,  é o “pensar”. Pensar é uma o que acontece quando não estamos no modo “fazer”, ou quando estamos realizando uma atividade que não precisa de muito foco ou concentração. Pense em quando você está deitado na cama, antes de dormir, ou indo para o trabalho, ou esperando na fila do banco. Quando já decoramos o caminho de casa, isso acontece até quando estamos dirigindo.

Então, quando exatamente podemos estar presentes? E o que isso tem a ver com sucesso?

O terceiro modo de viver e que ocupa o menor espaço de tempo em nossas vidas é estar presente. A melhor maneira de estar presente é quando não estamos fazendo algo que requer foco, como conversar com outras pessoas ou pensando sobre algum assunto. Pense bem: o quanto do seu tempo poderia ser usado para praticar estar presente? Para a maioria das pessoas, não muito. Mesmo assim, conseguimos pequenos intervalos só para existir, conseguimos prestar atenção com mais consciência as nossas sensações, onde estamos, sentimentos e emoções. Isso pode acontecer quando saímos para dar uma volta ou ouvindo música ou meditando.

É mais fácil falar do que fazer, especialmente quando vivemos numa cultura e sociedade que dá tanto ênfase em progredir, agir e ser produtivo. Nossas família, amigos, até políticos sempre insistem na importância de pensar, planejar e agir, raramente falando sobre a importância de estar presente. Dentro dessa forma de pensar, estar presente e reservar um tempo para si mesmo, só sentando e observando os pensamentos e as coisas em volta é considerado improdutivo e sem utilidade. Ainda sim, essa perspectiva desconsidera um ponto de vista crucial de que para ter sucesso, precisamos nos permitir entrar em contato com nossa criatividade, consciência, valores e motivação.

Na verdade, estar presente psicologicamente e espiritualmente é um dos estados mais poderosos da mente. Quando vivemos no momento presente e mergulhamos inteiramente na experiência que estamos vivendo, estamos dando tempo e espaço para a nossa mente descansar, se recuperar, explorar e considerar perspectivas diferentes. São nesses momentos que compositores, artistas, escritores, administradores fazem novas conexões, têm novas ideias e insights.

Quando olhamos para descobertas importantes e avanços históricos, percebemos que o denominador comum é uma constante prática de estar presente.

Por exemplo, mesmo sabendo que as coisas não aconteceu exatamente assim, sabemos que Newton pensou na lei da gravidade, quando observou uma maça caindo de uma árvore que estava sentado. Descartes pensou no Sistema de coordenado usado na geometria enquanto estava tentando dormir, Niels Bohr estava quase dormindo quando sonhou com elétrons movendo em torno de um átomo, Paul MacCartney escutava músicas quando estava acordando, Freud sempre saía para caminhar e deixar os pensamentos fluírem.

Dito isso, não estamos querendo tirar a importância de se dedicar a pensar e fazer. A questão aqui é a necessidade de uma divisão mais equilibrada do nosso tempo. Assim como estar presente é importante para inovar, também os processos de pensar e agir são fundamentais no desenvolvimento das ideias. São dias, meses, até anos de ação, pensamento e mindfulness para chegar até o momento de gritar: Eureca!!

Todas essas considerações talvez possam ajudar a nos convencer enquanto sociedade e cultura a redefinir nossa percepção sobre estar presentes e com nossos pensamentos, emoções e ambiente. Uma vez que reconhecemos o quão fundamental esse tempo é para cultivarmos a criatividade, inovação e novas perspectivas, estaremos mais dispostos a nos dar esse tempo. Indo além, Podemos até mesmo perceber que a maneira pela qual definimos um bom uso do tempo, mudará quando começarmos a apreciar estarmos presentes. É um pouco doloroso perceber que, as vezes por semanas e até meses, não nos permitimos sentar e estar completamente presente no momento.

É nesse momento que a meditação pode desempenhar um papel crucial para facilitar a criação de um hábito consistente de nos permitirmos estar presente no momento. A meditação nos ensina a controlar nossa mente, inclusive a dar espaço para nós mesmos para entrar em contato com a nossa fonte interna de criatividade e potencial. Assim como quaisquer novos hábitos, pode parecer difícil no começo, mas a prática leva a perfeição e os benefícios, de fato, valem a pena.

Deixe uma resposta