Parar de fumar com a ajuda da meditação

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, mais de 1.1 bilhões de pessoas fumam no mundo, fazendo desse hábito a causa número um de mortes que podem ser prevenidas. Infelizmente, saber de todas as estatísticas não faz muita diferença no desejo de um fumante querer parar de fumar. E não é porque quem fuma é fraco, mas sim, porque além da forte dependência física à nicotina, fumar tem também um componente de dependência emocional. O cigarro é uma companhia de todas as horas, um amigo que conforta e com quem sempre podemos contar.

Porque fumamos?

Se você é um fumante, como eu, provavelmente começou a fumar bem cedo e o ambiente e amigos influenciaram na primeira vez que resolver provar um cigarro. Eu levei um tempo para admitir, porque como para a maioria das pessoas, encarar nossas fraquezas não é fácil. Mas a idéia aqui não é se culpar, não somos perfeitos e o passado já foi, então tudo o que podemos fazer é focar no agora.

Qualquer que tenha sido a sua razão para começar a fumar, você provavelmente continuou por causa da maneira que se sente: fumar “cura” tudo ou substitui quase tudo. Pode ser uma pequena comemoração quando conseguimos o que queríamos, pode ser um prêmio de consolação quando não conseguimos, pode ajudar a preencher o vazio que vai desde o tempo de esperar o ônibus chegar até questões mais existenciais como ansiedade ou depressão. E essa é a razão pela qual é tão difícil de parar: sabemos que não é bom para a gente, mas a sensação é muito maravilhosa.

Afinal de contas… se a sensação fosse ruim não teríamos dificuldade alguma para largar, certo? 

Porque é tão difícil parar de fumar?

Embora ter um desejo real de parar de fumar seja fundamental, a vontade sozinha não é suficiente. Temos que analisar isso sob dois pontos de vista: a dependência psicológica e a física. Do ponto de vista científico: “fumar, como qualquer outra droga, libera dopamina, o que torna o uso prazeroso”, explica o Dr. Neil Benowitz, um pesquisador de nicotina da Universidade da Califórnia, em São Francisco. “Quando você para de fumar, tem uma deficiência na liberação de dopamina, que causa um estado de disforia: você se sente ansioso ou deprimido”. Além disso, o Dr. Benowitz lembra que a nicotina pode ser tão viciante quanto a heroína.

De outro lado há a dependência emocional. Quando tentamos parar de fumar, somos acometidos por sintomas de depressão, tristeza, uma sensação de perda e frustração, ansiedade e raiva. É por isso que mesmo tomando remédios ou reposição de nicotina, muitas pessoas recaem. PArar de fumar é difícil, mas não recair pode ser tão desafiador quanto parar, se você não estiver consciente das suas emoções e sentimentos.

Como a meditação pode te ajudar a parar de fumar

Existem diversos estudos sobre a prática de mindfulness e como ela pode ajudar as pessoas a pararem de fumar. Estudos recentes de observação do cérebro demonstram que fumantes tem menos atividades nas áreas associadas ao auto-controle. De acordo com a Dra. Nora Volkow, diretora do Instituto Norte Americano de Abuso de Drogas: “Evidências preliminares sugerem que exercícios focados em aumentar o autocontrole como a meditação mindful podem diminuir as influências inconscientes que motivam as pessoas a fumarem”. A Dra. Volkow está tentando entender como nossa habilidade de controlar nossos desejos podem ser afetados pelo uso contínuo de drogas e como isso acaba dificultando nossa capacidade de auto-regulação e atingir nossos objetivos.

Dr. Judson Brewer, médico da clínica de Neurociência Terapêutica de Yale, (USA), faz uma reflexão interessante no que se refere a discursos sobre apego de professores de mindfulness e pessoas viciadas. Ambos entendem a maneira pela qual desejar tanto algo pode impactar na vida das pessoas: o professor de mindfulness fala sobre como o estresse é um fator que pode gerar desejo e apego, e viciados entendem o conceito num nível muito pessoal. Nas palavras do Dr. Brewer, o comportamento padrão para parar de fumar não funciona tão bem porque só tratam os sintomas, sem mexer na causa. Em outras palavras, evitar gatilhos pode ajudar, mas se você não ficar atento, as chances de ter uma recaída são altas.

DICAS

Como mencionado antes, existem diversos estudos e práticas de mindfulness que pode ajudar no processo de parar de fumar, é uma questão de tentativa e erro para encontrar um que funciona melhor para você.

Aqui você pode ler sobre algumas dicas que a Dra. Judson Brewer usa na sua terapia. Nessa prática ela usa o acrônimo RAIN:

  • Reconheça a vontade surgindo e relaxe nessa mistura de sensações que aparecem junto com cada desejo.
  • Aceite o momento. Não ignore, não tente se distrair ou fazer algo a respeito.
  • Investigue a experiência conforme fica mais forte dentro de você. Se pergunte, “O que está acontecendo no meu corpo agora?”
  • Note o que está acontecendo. Conforme você percebe o que sente, pressão, torpor, aperto, fica mais claro que essas são apenas sensações corporais. Você não precisa reagir a elas. Você pode simplesmente sentir e esperar que elas passem.

Lembre-se que parar de fumar não é uma tarefa fácil, então não seja duro demais consigo mesmo. A meditação é uma das várias ferramentas que você pode usar ou combinar com outras no seu caminho para uma vida mais saudável. Isso pode incluir, medicação, reposição de nicotina ou terapia (individual ou em grupo)

Você já tentou parar de fumar ou deixar outro vício? O que você fez? Você tem alguma dica ou conselho para dividir conosco? Te convidamos a nos contar sobre sua experiência nos comentários abaixo.  

Referências:

https://www.medicalnewstoday.com/articles/297536.php https://www.psychologytoday.com/us/blog/minding-the-body/201204/can-mindfulness-help-you-quit-smoking

1 Comentário

  • Excelente artigo e reflexão! Já tentei diversas vezes largar o cigarro e não consegui. A meditação é um mundo novo em minha vida e com certeza o próximo passo será tentar usar as técnicas para, novamente, tentar.
    Obrigada por compartilharem conhecimento. 🙏🏻

Deixe uma resposta