Como Estabelecer Limites Saud√°veis

Tradutor: Flavia Totoli

Proteger seus limites, sejam eles f√≠sicos ou emocionais, √© fundamental para a manuten√ß√£o da sa√ļde mental. Ao definir esses seus limites e comunic√°-los aos outros, voc√™ protege seu corpo e mente para que n√£o sejam desrespeitados e lesados.

Neste artigo, vamos mostrar três maneiras de você estabelecer seus limites pessoais e proteger-se no dia a dia.

Estabelecer limites começa como auto-consciência

Uma das primeiras coisas que precisamos fazer para estabelecer e comunicar nossos limites é saber quais são eles. Para isso, precisamos todos os dias estabelecer a intenção de tomarmos consciência daquilo que nos perturba, nos deixa com raiva e nos desrespeita. Todos nós conhecemos a sensação de quando alguém, do nada, faz alguma coisa que desperta irritação, raiva ou frustração na gente.

√Äs vezes, essas coisas est√£o na lista das ofensas universalmente aceitas, mas √†s vezes n√£o. Mentir, roubar, xingar ou insultar a apar√™ncia f√≠sica ou intelig√™ncia de algu√©m s√£o comportamentos que a maioria das pessoas considera ofensivos. Nesses casos, √© f√°cil perceber essas a√ß√Ķes como transgress√Ķes aos nossos limites.  

Mas em outros casos, podemos nos ofender por conta de algo que √© muito pessoal. Um de meus mentores costumava chamar isso de ‚Äúgancho‚ÄĚ. Ela explicou que todos n√≥s temos ganchos que adquirimos durante nossa experi√™ncia de vida. Um exemplo de um gancho pessoal √© ficar ansioso quando algu√©m levanta a voz para voc√™, e tudo isso porque quando era mais novo seus pais gritavam constantemente com voc√™. Ent√£o quando algu√©m faz isso, voc√™ √© imediatamente levado de volta √† situa√ß√£o de ser repreendido e sentir-se oprimido. Ou pior, se voc√™ sofreu viol√™ncia f√≠sica quando crian√ßa, pode ser muito sens√≠vel at√© ao mais inocente contato f√≠sico. Aquela batidinha nas costas ou toque em seu bra√ßo dado pelo chefe √© um gatilho que lhe remete ao terr√≠vel infort√ļnio que passou quando crian√ßa.

Tire um momento para pensar nos seus ganchos pessoais. Que tipo de atitude ou situa√ß√£o dispara emo√ß√Ķes em voc√™ por conta de uma experi√™ncia passada?

Agora pense em como você reage quando alguém esbarra no seu gancho. Como você se sente? Como você costuma reagir?

Talvez a parte mais importante de estabelecer limites √© estar consciente deles, e isso n√≥s podemos fazer com a pr√°tica da medita√ß√£o e prestando aten√ß√£o durante o dia √†quilo que nos perturba. Da pr√≥xima vez que algu√©m te irritar ou frustrar, reflita se foi  intencional ou se a outra pessoa simplesmente esbarrou em um dos seus ganchos escondidos. Pode ser que ela tenha feito ou dito alguma coisa que para ela n√£o √© ofensivo, mas que para voc√™ √© desconfort√°vel.

O próximo passo, depois de tomarmos consciência de nossos limites, é comunicá-los de forma assertiva e compassiva.

Comunicando seus limites com gentileza e assertividade

Voc√™ j√° ouviu a frase ‚Äú√© voc√™ que ensina as pessoas como te tratar‚ÄĚ?  Esse √© um passo importante, e talvez o mais dif√≠cil, quando o assunto √© proteger os seus limites. Por que? Porque a maioria de n√≥s sente-se desconfort√°vel com o confronto e com a ideia de perturbar a outra pessoa.

Por√©m, existe uma maneira de expressar seus limites e ao mesmo tempo preservar a paz e o bem-estar no relacionamento. O problema √© que a maioria de n√≥s reprime as emo√ß√Ķes, e ent√£o, √† menor provoca√ß√£o, explodimos e comunicamos nossos sentimentos de uma maneira passiva agressiva ou simplesmente agressiva. Isso, em minha opini√£o d√° √† assertividade uma m√° reputa√ß√£o.

Certa vez, meu mentor me disse: ‚ÄúDiga aquilo que voc√™ pensa, pense aquilo que voc√™ diz e n√£o seja malvado‚ÄĚ. Esse foi um grande momento para mim.

Ao dizer aos outros as coisas que eu considerei viola√ß√Ķes aos meus limites pessoais, eu praticamente dei √†s pessoas um mapa sobre como interagir comigo. √Č como se voc√™ estivesse entregando um guia de viagem, edi√ß√£o ‚ÄúVoc√™‚ÄĚ.

√Ä princ√≠pio foi muito dif√≠cil ter essas conversas, mas com o tempo eu vi como meu colegas e amigos ficavam gratos por saber essas coisas a meu respeito. Assim, quando algu√©m ultrapassava um limite, foi ficando mais f√°cil falar sobre as experi√™ncias que fizeram com que aquilo que eles disseram ou fizeram fossem temas dolorosos para mim. E isso tamb√©m os encorajou a compartilhar certos aspectos da vida deles que eu ignorava. Por exemplo, uma colega que eu sempre chamava de ‚Äúgracinha‚ÄĚ (porque ela era), me disse que para ela a palavra ‚Äúgracinha‚ÄĚ tinha um sentido depreciativo, uma vez que era usada para crian√ßas que s√£o ing√™nuas. Eu n√£o podia imaginar! Ent√£o imediatamente parei de cham√°-la de gracinha. Esse, claro, √© um exemplo muito simples, mas que demonstra como as coisas que dizemos podem incomodar os outros. Tamb√©m nos mostra e refor√ßa a no√ß√£o de que a maioria das pessoas t√™m boas inten√ß√Ķes, mas simplesmente n√£o t√™m informa√ß√Ķes suficientes sobre as prefer√™ncias dos outros, de modo que acabam esbarrando nos seus ganchos.

Apoie-se em quem você conhece bem

Uma das melhores maneiras de se ajudar nessa jornada rumo √† auto-consci√™ncia e o estabelecimento de limites √© buscar feedback de pessoas que o conhecem bem.  Fa√ßa uma lista de amigos, colegas e familiares que voc√™ confia para falar sobre seus gatilhos, ganchos e limites. √Č bom tamb√©m que sejam pessoas cujo comportamento e atitude em situa√ß√Ķes de tens√£o e conflito voc√™ admira. Quando certas situa√ß√Ķes surgirem e voc√™ n√£o estiver certo sobre como comunicar com gentileza seus limites e sentimentos, pergunte a elas como elas lidariam com isso.  Ap√≥s praticar por um tempo, voc√™ come√ßar√° a intuitivamente saber como elas abordariam certas situa√ß√Ķes e aplicar esses mesmos h√°bitos √†s suas a√ß√Ķes.

Nós adoraríamos saber como você estabelece limites pessoais saudáveis; o que funcionou e o que não funcionou para você? Quais são aqueles seus ganchos que você consegue falar para aos outros?

Deixe uma resposta