Como Superar a Autocrítica Quando se É um Empreendedor

São 3:24 hs da manhã e não consigo dormir. Minha autocrítica está a todo vapor, tentando manter meu corpo e mente acordados. O fim de semana passou muito rápido. Já é domingo e aqui estou eu, totalmente acordada, olhando para o teto escuro, pensando em todos os erros que cometi na semana passada e imaginando tudo o que pode dar errado na semana que vem. A autocrítica tomou conta de minha mente. O que aconteceu? Bem, há um ano, eu comecei um pequeno negócio, decidi me tornar minha própria chefe, me tornar uma empresária. Mas agora, essa vozinha crítica em minha cabeça fica tentando arruinar tudo. Tenho certeza de que não sou a única pessoa acordada a essa hora da noite. Milhares de pessoas provavelmente estão sentindo o mesmo, sem dormir e fazendo o possível para se manterem positivas enquanto sua autocrítica tenta derrubá-las. 

O Que É Nossa Autocrítica?

Todos nós temos uma vozinha autocrítica em nossa mente, que fica comentando negativamente nosso comportamento e ações. Que nos diz coisas como: “Você é muito burro por ter feito isso. Você não é ágil ou forte o suficiente.”  De acordo com a psicóloga e pesquisadora  Lisa Firestoneessa voz interna vem de nossas “experiências de infância, que são internalizadas como formas de pensarmos sobre nós mesmos”. Ela é o resultado de experiências dolorosas ou comportamentos de adultos que tínhamos como referência. Firestone diz: “à medida que crescemos, adotamos inconscientemente padrões destrutivos de pensamento em relação a nós mesmos e aos outros” e permitimos que eles direcionem a nossa vida. 

Falta de Confiança

Minha voz autocrítica é bem baixinha e suave, quase discreta. Pode facilmente ser confundida com autocuidado e preocupação. Mas, na verdade, é extremamente julgadora, crítica e indelicada. É uma voz ativa, alerta e que aparece de muitas formas diferentes. É uma constante lembrança de meus muitos erros, bem como de comentários inofensivos dos outros que aumentei e transformei em inseguranças. Fico imaginando, ansiosa, cada tarefa inacabada da minha lista de coisas a fazer, mas não consigo terminar nenhuma porque me sinto envergonhada ou com medo de não conseguir fazer tudo corretamente. Não importa quantas vezes as pessoas digam, “não se preocupe, você vai dar tudo certo”, eu tenho dificuldade em acreditar.  Luto para aceitar os elogios, que são exatamente o que eu preciso para seguir em frente. Apesar dessa vozinha ser poderosa e paralisante, e poder assumir o controle do nosso humor e nossa vida em geral, é importante sabermos que ela é apenas um mecanismo natural de defesa tentando nos alertar.

Como isso Afeta o Empreendedorismo?

Como você deve saber, pequenos empresários têm de fazer de tudo. Além do serviço ou produto principal do negócio, precisam lidar com várias outras coisas, como atendimento ao cliente, marketing, previsões financeiras, recursos humanos, etc. Isso requer disciplina, capacidade de pensar à frente, ser criativo, pesquisar e desenvolver coisas novas e se reinventar sempre que algum imprevisto ocorre. Mas quando a vozinha da autocritica aparece, ela pode desacelerar ou até mesmo interromper esses processos, impedindo nosso crescimento e progresso. Por exemplo, tenho adiado um projeto recente devido à minha voz autocrítica, que me garante que “Vou falhar. Não estou pronta. Este projeto é bobo.”

Então Como Calar Essa Voz Autocrítica?

O que eu faço quando essa voz aparece? Primeiro, eu reconheço sua presença e influência. E então, pratico uma dessas técnicas, para conseguir ter uma visão mais abrangente da situação:

Dê um Nome a essa Voz

Identificar essa voz é o primeiro passo para ganhar confiança. Há muitas maneiras de identificá-la e reconhecê-la. Pode ser tão simples quanto dizer “ah, aqui está aquela vozinha de novo”. Mas você também pode tentar descobrir seu tom. É uma voz alta ou uma voz baixa? E dar-lhe um nome. Dessa forma, sempre que a “Amélia” vier falar com você, você pode simplesmente dizer “olá” e seguir em frente. Lembre-se que essa vozinha não é você. Ela não é real; é o seu subconsciente brincando com você. Você pode simplesmente dizer a ela, “aham… tá…”, ou “Eu não estou com tempo pra você agora Amélia, então obrigada e adeus”.

O Chapéu Vermelho

Outra maneira de olha para isso é pensando em alguém que você já viu muitas vezes, mas não conhece pessoalmente. Alguém que você costuma ver passeando com o cachorro ou no mercado ou no ônibus. Imagine-se chegando ao mercado e vendo essa pessoa usando um chapéu vermelho. Então você pensa: “hum, essa pessoa está com um chapéu vermelho hoje”, e continua caminhando até o mercado. Isso representa como deve ser o seu relacionamento com sua voz autocrítica. É isso mesmo. Você viu e reconheceu a presença do chapéu. E pensou “hum, ok…” e seguiu em frente. Essa é a maneira como devemos abordar nossa voz autocrítica. Ouvir, reconhecer, colocar um chapéu vermelho nela, se você quiser, e simplesmente deixá-la seguir seu rumo, sem dar muita importância.

A Tabela

Faça uma tabela com duas colunas. Na coluna da esquerda, escreva tudo o que a voz diz, e na coluna da direita, escreva a afirmação positiva oposta. Depois, esconda a coluna da esquerda, ou dobre o papel em dois, e leia apenas a coluna da direita. Por exemplo, na coluna da esquerda você pode escrever “Não sou suficientemente competente para este projeto”. “Não sou capaz”.  “Eu nunca deveria ter deixado meu emprego.” “Vou passar vergonha na reunião.” Ao lado, escreva: “Sou perfeitamente competente para este projeto”. “Sou totalmente capaz de fazer este trabalho”. “Eu não preciso voltar para o meu emprego, porque eu o odiava e me sinto confiante agora”. “Eu vou arrasar na reunião”. Mantenha estas frases como afirmações motivacionais. Sempre que um pensamento negativo estiver impedindo você de fazer um trabalho ou de encontrar alguém importante, basta repetir a coluna da direita, com convicção e um sorriso nos lábios, quantas vezes você precisar.

O Sol

Esta é uma meditação ativa, e que você pode fazer em qualquer lugar – antes de se deitar, pela manhã ou enquanto caminha. Comece encontrando um lugar calmo para se sentar ou ficar de pé e, uma vez confortável, você pode fechar os olhos se achar melhor. Inspire profundamente enquanto ergue os braços lateralmente em direção ao céu, como o sol. Expire levando os braços para baixo e soprando todos os pensamentos negativos para longe.  Continue levantando e baixando os braços conforme inspira e expira. Enquanto os braços sobem, inspire pensamentos positivos, amorosos e compassivos. Enquanto desce, expire pensamentos obscuros, negativos e destrutivos. Faça isso durante dez respirações. Cada vez que inspirar, certifique-se de estender seus braços poderosamente, para exercer controle sobre aquela vozinha. Falar em voz alta os seus pensamentos positivos durante a inspiração e fazer um barulho de sopro enquanto expira toda a negatividade, pode reforçar sua confiança. Termine com ambas as mãos em seu coração, dando a si mesmo amor, calor e luz. Isto irá acalmar a sua mente, lhe dar energia e aumentar a sua motivação.

Como empreendedor ou empreendedora, seja gentil consigo e não deixe que sua voz autocrítica, a “Amélia”, destrua seus negócios. Como empreendedores, precisamos lembrar que a perfeição é inimiga do progresso. Erros fazem parte da aprendizagem, nos negócios e na vida. 

Depois me conta se você fez os exercícios. Estou curiosa para saber o que você achou e se eles o ajudaram a silenciar sua voz autocrítica. Não hesite em deixar seus comentários, perguntas ou pedidos na seção de comentários. Quanto a mim, já é de manhã. Depois de escrever isto, não estou me dando mais nenhuma desculpa para adiar ainda mais o meu projeto… depois de tirar um cochilo, claro!

_______________________________

Fontes:

Celine Germain Coach 7 techniques to silent that little voice that brings you down in your projects https://celinegermaincoach.com/7-techniques-pour-terrasser-la-petite-voix-qui-vous-fait-douter-de-votre-projet/

Deixe uma resposta