Mantendo sua individualidade na faculdade

Autor: Humeyra Cengiz

A época da faculdade é muito diferente de outras épocas da nossa vida. Nesses anos recebemos uma educação acadêmica de alto nível que são aceitas no mundo todo e temos a possibilidade de ampliar nosso mundo. Além disso, o ambiente é provavelmente mais livre que os que vivemos até esse momento, em todos os aspectos. Podemos ter aulas mais gerais ou perseguir nossas paixões em cursos mais especialistas. Nossa vontade e preferências viram prioridade. A maneira pela qual nos expressamos fica mais variado conforme crescemos. Ao mesmo tempo, esse anos podem trazer emoções negativas como medo e ansiedade junto com as positivas.

Quando escolhemos nosso curso, somos influenciados pela família ou antecedentes acadêmicos. Essas escolhas podem acabar nos sobrecarregando. Provas complicadas, trabalhos, projetos, prazos, apresentações podem exigir muito de nós, mentalmente. Esse nível de esforço tem o potencial de nos deixar esgotados, física e psicologicamente.

Pressão Acadêmica: Você não é suas notas!

Em algumas escolas, as avaliações dos alunos são baseadas na relação com a performance dos colegas. Outros sistemas de notas não necessariamente são feitas por comparação, mas os exames finais são sempre muito complicados. Esses sistemas de avaliação podem trazer sentimentos de inadequação, de que estamos falhando ou insatisfação nos estudantes. Isso pode causar alterações de humor, como depressão por exemplo. De acordo com o estudos, o nível de depressão e ansiedade é de 15.6% dentre bachareis e 13% para mestrandos. Na mesma pesquisa se observou que o risco de transtornos mentais é mais alto dentre estudantes com problemas financeiros. Claro que financeiramente isso imacta não só os estudantes quanto suas famílias.

Infelizmente, a maioria dos sistemas de educação se baseiam em sistemas de avaliação vertical, na qual se assume que todos estão no mesmo nível. Isso quer dizer que nossas diferenças, interesses e tendências podem passar batidas. Para alguns de nós, provas escritas e com tempo contado podem ser sufocantes. Pode ser que você já tenha enfrentado uma crise de pânico nessas situações, ou conhece alguém que sofreu. De outro lado, alguns de nós não se sente confortável falando em público. Você se lembra de momentos, que mesmo tendo tudo decorado, no momento que começou sua apresentação simplesmente não conseguia falar?

Se a expectativa é que seu desempenho seja similar a de seus colegas, essa é uma oportunidade única de encontrar que tipo de trabalho você se sente mais confortável e em quais áreas se sai melhor. Ver e perceber que você e seus colegas tem desempenhos diferentes em áreas diferentes pode ser a chave para lidar com sentimentos de inadequação e insatisfação. No entanto, as vezes o medo de falhar é tão intense que não conseguimos ver as coisas de maneira clara. Se você está condicionado a idea de ser bem sucedio em absolutamente tudo, aquela voz na sua cabeça que diz “E se der errado?” pode te paralisar pelo pânico. O número de estudantes que se sente infelizes quando se comparam aos colegas é significativo. Somos avaliados por um sistema padrão e atribuímos os resultados negativos desses sistemas a nós mesmos. Se você vive numa cultura que dá muita ênfase a notas, você pode acabar se sentido fracassado se ficar se comparando aos outros.

Isso te parece familiar? Pensar se está indo bem ou não te deixa nervoso e sem ar? Se sim, será que esses pensamentos e comentário internos pioraram a situação e se tornaram até mais intensos por causa do medo e do pânico? Esse sentimento de ficar sem ar faz sua mente ficar mais confusa e lenta – exatamente quando você precisa estar focado? Essa experiência de falta de foco e produtividade se alimenta nos sentimentos de fracasso. Aceitar que todos nós nos sentimos fracassados as vezes e que todo mundo já sentiu isso alguma vez em suas vidas é o primeiro passo. Para quebrar o ciclo, lembre-se que você é um indivíduo único e que você existe com seus altos e baixos mesmo que esses pensamentos não pareçam tão convincentes no começo. Todos nós temos dificuldades, e a faculdade é um dos melhores lugares para observar a si mesmo e aos outros. Você pareceria um “fracassado” se estivesse se olhando através dos olhos de um professor, amigo ou alguém da família? Ou você é só um estudante fazendo o seu melhor, não importa os altos e baixos no foco e motivação?

Mantendo sua individualidade na vida social

Questionar e aprender mais sobre si mesmo é uma das melhores oportunidade que você terá dentro da dinâmica social do ambiente universitário. As atividades extras, festas, campeonatos esportivos, dormitórios fazem da faculdade uma pequena cidade universitária. Na verdade, a interação com os colegas são mais intensas do que só assistir às mesmas aulas. Para mim, a experiência de morar no campus foi muito diferente. As pessoas com quem vivi se tornaram minha família e eu compartilhei muitos momentos, bons e ruins, com eles. Muita gente tem lembranças dessa época. Por exemplo, fazer intercâmbio é uma oportunidade de experimentar outras culturas enquanto ainda é estudante! Ou fazer estágio em áreas diferentes para conhecer o mundo dos negócios, podem te ajudar a entender o que gosta de fazer ou não. Em todas as experiências, temos a chance de ter um ´nivel de interação e compartilhar nossas experiências. 

Esse ambiente parece muito veloz, mas também podemos nos focar em nós mesmos e não nos perdermos na multidão e vida social agitada. Exatamente como na sala de aula, podemos nos rotular como “bons” ou “ruins” quando nos comparamos com os outros e é normal sentir isso. As vezes adotamos os hábitos de colegas que admiramos. As vezes fazemos coisas só para fazer parte do grupo. Te parece familiar estar numa situação com a qual não se sente confortável e ficar preocupado em ser aceito?

Todos nós queremos ser vistos e aceitos, e nos comportamos de acordo com esse desejo.

Mas, as vezes não e tão fácil, porque essas interações são intensas e a vontade de pertencer coincide com o período de transição da adolescência para a vida adulta. Esperar que nossos pensamentos e ações estejam equilibrados nesse período não é realista. Nessa idade, lentamente vamos nos separando do apoio da família e de nossas zonas de conforto. Do mesmo jeito de quando deixamos de ser crianças, nos tornando mais maduro e se sustentar a si mesmo é uma das melhores lições que podemos ter na vida. “Algumas” decisões que tomamos não definem quem somos. Isso é uma delusão. No entanto, o julgamento dos outros podem reforçar essa delusão. Quando somos jovens e confusos, é fácil ser afetado pela opinião alheia.

Como lidar?

Quando estamos sob pressão social, os problemas parecem maiores do que de fato são. Levando em consideração que “pensamentos negativos, alimentam emoções negativas”, é possível olhar para si mesmo de uma perspectiva mais objetiva. Falar com pessoas que já passaram pela mesma situação pode nos ajudar a ver os problemas como transitórios e parte da vida. Você não deve ter receio de compartilhar o que está sentindo com amigos próximos. Ver e entender que todo mundo pode estar sentindo a mesma coisa, normalmente suaviza esses pensamentos. Se você se sente realmente paralisado, triste ou estressado, uma opção é procurar uma terapia para te ajudar. Atividades em grupo, arte terapia ou passar mais tempo com seus hobbies podem te ajudar a ter uma atitude mais positiva em relação a sua individualidade.

Enquanto fazemos tantas coisas, temos tantas responsabilidades, tentar se encontrar durante a faculdade pode ser difícil e você pode se sentir super desgastado. Mas esse desgaste é uma das muitas etapas de conhecer e se entender com o mundo. Damos passos na direção de nos tornarmos indivíduos e ao mesmo tempo tentamos resolver nossos problemas e nos encaixar num novo ambiente. As vezes sentimos desconectados de nós mesmos e isso também é normal. Tudo isso tem um papel no caminho para encontrar um equilíbrio saudável. Se você não se deixar render a pensamentos negativos e medos, encontrar a motivação para dar passos positivos na direção certa, fica mais fácil. Enquanto somos jovens e motivados, não tem nada melhor do que a faculdade, mesmo com todos os altos e baixos!

E você? Já sentiu dificuldade, se sentiu sem valor ao invés de apreciar a si mesmo como a pessoa única que é? Você tem um jeito de lidar com essa fase? Se não, acha que consegue ser mindful sobre o que leu nesse artigo e prestar atenção quando se deparar com esses pensamentos e sensações?

Eisenberg, D., Gollust, S., Golberstein, E., & Hefner, J. (2007). Prevalence and correlates of depression, anxiety, and suicidality among university students. American Journal Of Orthopsychiatry, 77(4), 534-542. doi: 10.1037/0002-9432.77.4.534

Tradutor: Flavia Totoli

Deixe uma resposta