Meditação Matinal: Conecte-se Consigo Mesmo Antes de Conectar-se com o Mundo

São 5:30 da manhã e acordei da minha maneira favorita – alguns minutinhos antes do alarme tocar, portanto o primeiro som que eu ouvi foi o da minha respiração. No momento em que acordo, mesmo ainda como sono, sei que tenho escolhas. Posso pegar meu telefone e checar as redes sociais, posso lembrar da minha lista de coisas a fazer e levantar correndo, ou posso levantar lentamente, arrumar minha cama e ir direto para o meu cantinho de meditação.

Hoje escolhi o cantinho, para me conectar comigo mesma antes de me conectar com o mundo

Fui para o meu cantinho porque sei que a vida é uma série de escolhas. As decisões que tomamos criam o cenário de cada dia, e depois se tornam a história de nossas vidas. É fácil esquecer que cada momento possui um imenso poder de moldar nossas experiências e que eles vão se conectando ao longo do tempo, como pérolas em um fio. Quanto mais consciência tivermos ao colocar cada pérola, mais bonito ficará o nosso colar. Pensando nisso, eu encontro forças para agir com consciência e enxergar as oportunidades que existem, até mesmo nas menores coisas, para eu criar a vida que desejo.

Ao escolher meditar antes de começar o dia, estou colocando cuidadosamente minha próxima pérola. Estou conscientemente criando espaço para algo que valorizo, sabendo que isso me ajuda a relacionar-me com o mundo com mais calma, tranquilidade e consciência. Essa é uma maneira de me reconectar comigo mesma todos os dias, e priorizar uma perspectiva mais elevada de bem-estar. É uma maneira de proclamar internamente que, embora eu confie no fluxo da vida e no acaso, eu tenho um forte ponto de referência mental para a minha jornada.

Estabelecer uma rotina matinal saudável é algo que muitas pessoas desejam. Mas, às vezes, quando estamos tentando incorporar algo novo em nossas rotinas, tendemos a retornar àqueles hábitos familiares que consideramos mais confortáveis. Eu aprendi que saber o que é melhor para nós não é suficiente, não faz com que ajamos de acordo com isso. Nossos hábitos estão profundamente arraigados, e mudá-los requer uma quantidade significativa de intenção, disciplina e paciência. Aqui estão algumas dicas que podem te ajudar a desenvolver o hábito de meditar pela manhã:

1. Tenha Clareza Sobre a Importância de Meditar 

O empurrãozinho final para colocar a meditação em sua rotina é entender exatamente por que isso é importante para você. Quanto mais certa você estiver do valor do que quer fazer, maior será a probabilidade de você fazer. É cientificamente comprovado que a meditação reduz o estresse, controla a ansiedade, promove a saúde emocional, melhora a autoconsciência, melhora a memória, regula o sono, ajuda a controlar a dor, incentiva um estado de espírito pacífico e muito mais. Especificar o que você deseja conseguir com a meditação vai lhe ajudar muito a manter-se nessa rotina.

Por exemplo, estou me comprometendo a meditar porque:

“Quero ser mais paciente e presente com meus filhos.”

“Minha ansiedade está afetando meus relacionamentos.”

“Esta é uma oportunidade de ouro e, quanto mais focada eu estiver, melhor.”

“Quero opções mais saudáveis para gerenciar minha dor crônica.”

2. Visualize Sua Nova Rotina Matinal

Ter clareza em relação à sua nova rotina o ajudará a implementá-la com sucesso. Já existe um sistema em andamento, que deseja se perpetuar. Como disse Aristóteles: “Somos aquilo que fazemos repetidamente. A excelência, não é um ato, mas um hábito.” Crie espaço para o que você deseja criar.

Primeiro, escreva, passo a passo, como é, atualmente, a sua rotina matinal. Em seguida, escreva como você gostaria que fosse. Minha sugestão é ir fazendo pequenas mudanças, e aos poucos, ao invés de abalar a sua rotina de uma só vez. Hábitos são formados, mantidos e alterados em um “ciclo”: deixa → rotina → recompensa. De acordo com Charles Duhigg, em seu livro O Poder do Hábito, a chave para mudar com sucesso nosso comportamento é manter sempre a mesma deixa e recompensa. Por exemplo, talvez a sua manhã, em sua versão mais simplista, seja assim:

 – O alarme toca (deixa)

– Você olha o Facebook, Instagram e mensagens de email (rotina)

– Toma um banho (recompensa)

– Toma o café da manhã (recompensa)

No início, mantenha as coisas simples. Mude apenas a rotina:

– O alarme toca (deixa)

– Você medita por 10 minutos (rotina)

– Toma um banho (recompensa)

– Toma o café da manhã (recompensa)

– Olha o Facebook, Instagram e mensagens de email 

Passe cerca de 30 dias recriando esse hábito antes de adicionar algo novo. Com o tempo, você pode explorar mais mudanças de hábitos, como dormir mais cedo, à medida que vai aumentando seu tempo de meditação. Esse modelo funcionará tão bem quanto o antigo.

3. Crie um Espaço Exclusivo para Meditar

Crie um espaço convidativo. Embora nem todos possam ter um quarto exclusiva para meditar, a maioria de nós pode dispor de pelo menos algum cantinho, dentro ou fora de casa, para ficar quieto e refletir. Quando colocamos nossa energia na criação de um santuário, ele será sempre um lembrete de nossas mais nobres intenções – uma deixa para sairmos um pouco do corre-corre de nossas vidas e alimentarmos nossa alma.

Ao planejar seu espaço sagrado, reflita sobre o “porquê” de estar se comprometendo a meditar. Minhas duas maiores intenções para minha meditação matinal, por exemplo, é me conectar mais com a natureza e com minha família. Portanto, meu espaço tem um pequeno altar com plantas que eu cultivo, além de pedras, conchas e troncos que coleciono em minhas andanças. Tenho várias fotos do meu filho e família e uma bela almofada de meditação em fibras naturais orgânicas, onde posso sentar e me sentir completamente equilibrada. Deixe que seu espaço, seja ele simples ou elaborado, se torne um porto seguro e uma expressão de sua alma.

4. Vá com Calma

Uma das minhas professoras favoritas de ioga, Jillian Pransky, costuma dizer: “UM POUCO + FREQUENTEMENTE = MUITO”. Ela está se referindo ao yoga, mas regularidade e consistência são a base de qualquer prática de bem-estar. O importante é praticar todos os dias.

Muitas pessoas adoram a ideia de meditar, mas na hora de praticar, percebem que não gostam muito. Isso é totalmente normal. É fácil deixar que nossos pensamentos passem despercebidos na correria do cotidiano. Talvez seja a primeira vez que você esteja percebendo o que está por baixo da superfície de sua mente, e isso pode ser extremamente desconfortável.

“Isso é muito chato.”

“Quem, afinal, tem tempo para isso?”

“O que eu estava pensando quando resolvi fazer isso?”

“Há tantas outras coisas que eu deveria estar fazendo.”

“Eu não sou boa nisso!”

“Há quanto tempo estou aqui?”

“Não faço ideia do que estou fazendo. Acho que eu preciso de um café.”

Pensamentos como esses certamente surgirão … mas, lembre-se, eles são precisamente o motivo de você estar meditando: 1) Perceber as artimanhas da mente pensante (e, sim, ficar chocado com o fato de que ela nunca para) e 2) Aprender a utilizar a respiração para mudar seu relacionamento com esses pensamentos e cultivar espaço e calma mental.

Comece agora mesmo, onde você está. Pratique por apenas 5 a 10 minutos na primeira semana e depois vá aumentando o tempo gradativamente, da maneira que achar melhor. Sente-se, fique à vontade, feche os olhos e respire naturalmente. À medida que os pensamentos forem surgindo, simplesmente, expire e deixe que desapareçam.

Com o tempo, essa pode vir a ser a sua hora favorita do dia, aquele momento que você fica aguardando chegar. Boa sorte na sua jornada de meditação.

Traduzido por: Rosa Frazao

Angela Boltz
www.BarefootBecause.com
Instagram: @barefootbecause_

Deixe uma resposta