3 maneiras de praticar gratidão nos relacionamentos

Traduzio por: Flavia Totoli

O relacionamento que temos com as pessoas que amamos determinam vários outros aspectos das nossas vidas. Em várias culturas, os laços familiares, de amizade e com a comunidade em geral são encaradas como uma das coisas mais valiosas da vida. Nutrir e fomentar essas relações é encarado como uma parte essencial de uma vida plena e feliz.

Um relação, em particular, é especialmente significativa no que diz respeito a nossa sensação de paz de espírito e felicidade – estamos falando de nossos parceiros românticos. Pense numa época que foi complicada para você e seu parceiro. Provavelmente lhe tomou muita energia e você se sentia exausto, triste e machucado. Todos nós passamos por isso. A pessoa que amamos pode, muitas vezes, parecer um inimigo distante, alguém que não reconhecemos, que não liga para nós ou para nossos sentimentos. Nessas horas, uma avalanche interna pode nos fazer sentir realmente doentes. Ficamos distraídos, nossas emoções são intensas e não conseguimos ver as coisas com clareza.

Por isso é tão importante ter um tempo para considerar o que podemos fazer para criar um ambiente saudável, amoroso, com uma dinâmica de respeito mútuo com nosso parceiro. Pode parecer muito tempo e esforço para construir bases sólidas, mas certamente é melhor do que tentar consertar uma relação tóxica.

Vamos conversar hoje sobre três formas para sermos mais atentos, presentes e ativos na construção de um relacionamento pleno, com amor e carinho, junto ao nosso parceiro.

Antes de começar, no entanto, vamos nos lembrar da definição de gratidão. A gratidão se define como a qualidade de sermos agradecidos, gentis e estarmos prontos para mostrar nosso apreço por outra pessoa. Então, como fazer para demonstrar esses sentimentos para a pessoa que amamos?

Praticando gratidão com clareza

No livro Dare to Lead, de Brené Brown, um aspecto que salta aos olhos e me parece essencial para começar e manter um relacionamento baseado em confiança, respeito e responsabilidade. Nesse livro, a autora diz: “Ser gentil é ser claro. Não ser claro é ser cruel.” E ela explica como ser aberto sobre o que se quer, sobre expectativas, objetivos, desejos para o futuro e sentimentos, seja com um amigo, um familiar ou namorado e marido é a coisa mais respeitosa e gentil que podemos fazer por quem amamos. O contrário, ou seja, esconder nossas expectativas, não falar claramente o que queremos ou precisamos ou estamos sentindo não é indelicado com a pessoa que estamos nos relacionando.

Vamos pensar no que acontece com nossos relacionamentos quando não dizemos o que estamos pensando. Pense na primeira vez que conheceu alguém que você estava interessado. Você não sabe quais são as expectativas, planos ou o que ele pensa sobre você. Você não sabe nada sobre o seu passado, o que ele considera como um relacionamento saudável, seus valores, ou o que procuram em um parceiro. Você não sabe se ele sonha em viver num barco ou num chalé nas montanhas, você não sabe se ele quer ter filhos. E apesar de todas essas interrogações, normalmente não fazemos essas perguntas. Temos medo que possamos parecer desesperados, estranhos e não queremos assustar a pessoa.

Passam-se meses e ainda não sabemos nada sobre as expectativas e planos que a pessoa tem sobre nós ou seu futuro. Nos sentimos ansiosos, estressados e exasperados tentando decifrar cada coisa que o outro fala ou faz, na esperança de que as coisas que imaginamos sejam verdade. Isso é frustrante demais, além de uma perda de tempo.

Mesmo em relacionamentos longos, podemos ainda não ter clareza do que nossos parceiros querem ou suas expectativas. Imagine casar com alguém sem saber que tipo de vida você quer viver com ele. Toda essa energia gasta em pensar, imaginar, se estressar ruminar sobre questões não respondidas, é exatamente a razão pela qual não dizer o que se pensa é cruel com o outro. E isso vale para os dois. Ninguém é capaz de ler pensamento ou entender nossos sonhos, objetivos, preocupações e planos se não nos comunicamos com clareza. É uma forma de gentileza compartilhar nossas expectativas, necessidades e desejos com nosso parceiro. Na verdade, talvez seja bacana até falar além do que se espera. O que eu quero dizer com isso é:  é bom falar sobre coisas que podem parecer até detalhadas demais sobre quem você é, e o que você quer. Por exemplo, como vocês irão dividir tarefas domésticas, como vocês irão gerenciar o dinheiro, juntos ou não, quais são seus objetivos profissionais, se você espera que seu parceiro sustente a casa, se vocês querem morar na cidade ou no interior.

Agora, não é porque você diz o que quer, que vai conseguir tudo que quer. Longe disso, é preciso muito comprometimento e discussões para chegarem a um modelo que seja bom para os dois. Mas ser claro com seu parceiro sobre suas expectativas e vice-versa ajudará vocês a construírem juntos uma vida mais satisfatória e verdadeira.

Praticando gratidão quando conhecemos a linguagem do amor do nosso parceiro

Outra abordagem para expressar nosso amor e gratidão ao nosso parceiro é através do que o Dr. Gary Chapman chama em seu livro de “As cinco linguagens do amor”. Nessa série de livros, o autor, palestrante e conselheiro de relacionamentos, nos lembra que para estar num relacionamento onde amor, respeito e consideração incondicional florescem, precisamos expressar nosso amor de uma maneira que nosso parceira entenda.

Ele segue explicando que cada um de nós tem preferências diferentes sobre como nos sentimos amados: presentes, tempo, palavras, ações, e toque. Quando você entende a preferência do seu parceiro e expressa seu amor de uma forma específica, a chance de seu parceiro notar e entender a profundidade de seus sentimentos aumenta. Chapman chama isso de “encher seu tanque de amor”

Da mesma forma, se você está demonstrando seu amor de uma maneira que seu parceiro não entende, você arrisca que ele não sinta que você se importa e o deixa com o “tanque de amor vazio”. Se você e seu parceiro sentem curiosidade sobre a perspectiva da linguagem do amor um do outro, continue lendo para entender como você recebe amor. A meditação é outra forma de identificar as coisas que seu parceiro faz e que são muito importantes para você. Através de exercícios de visualização, você conseguirá entender todas as pequenas ações do seu parceiro que podem refletir a linguagem de amor dele ou preencher a sua.

Eis um exemplo para você pensar. Digamos que minha linguagem primária de amor sejam ações e tempo e que a do meu parceiro sejam presentes e palavras. Se eu tentar mostrar meu amor por ele ajudando-o com uma atividade ou projeto, limpando seu carro ou fazendo um piquenique juntos, claro que ele poderá gostar dessas coisas, mas pode ser que ele não perceba que estou fazendo essas coisas para demonstrar meu amor. Mas e se você, consciente da linguagem de amor dele, surpreendê-lo com um presente bacana ou nunca deixar de dizer para ele como se sinto e o quanto o ama? O “tanque de amor” dele irá transbordar!

Estar em um relacionamento, muitas vezes significa colocar as nossas preferências de lado e reconhecer o que faz seu parceiro se sentir feliz, amado, apreciado e respeitado. Não é sobre você ou sobre como você encara o amor. Então, ao invés de perguntar o que você pode ganha por estar com seu parceiro, você pode mudar sua percepção sobre como você pode contribuir de maneira positiva para a vida dele. Você pode começar perguntando uma vez por semana: “o que eu posso fazer para melhorar sua vida ou deixá-la mais fácil essa semana?” e de fato fazer. Uma vez que você se esforça para aprender e mostrar seu amor na linguagem que seu parceiro entende, você irá reaquecer a chama do seu amor e aprofundar sua conexão de um modo inesperado.

Estar presente e Aceitar seu parceiro

Às vezes as respostas para nossos maiores problemas de relacionamento estão bem na nossa frente. Pense bem, talvez seu parceiro tenha por hábito encontrar com os amigos algumas vezes no mês ou dando pequenos presentes para pessoas próximas. Estando presente e observando os hábitos dele, é possível entender muito sobre o que ele pensa que o amor deve ser. Mais ainda, quanto mais presente você fica quando está com seu parceiro, mais você começa a reconhecer as pequenas ações que ele toma para tornar sua vida e a de pessoas próximas melhor e mais fácil. Consequentemente, quanto mais abrimos nossos olhos para esses atributos, mais a gratidão e o apreço por nosso parceiro aumenta e com isso nossa vontade de demonstrar amor.

Outro componente que é fácil de esquecer é aceitar nosso parceiro como eles são naquele momento. Muitas vezes, resistimos e lutamos contra certas características e hábitos porque temos uma ideia formada de como eles deveriam ser, e de como queremos que eles sejam. Isso é exatamente o inverso do que conversamos nos parágrafos acima, e cria tensão. A aceitação requer querer receber abertamente as experiências, características, memórias, atributos, e – o mais importante – falhas do nosso parceiro. Assim como você tem uma personalidade única, formada por memórias e experiências, o mesmo é verdade para seu parceiro. Assim como você evoluiu e mudou ao longo do tempo, a mesma coisa acontece com ele. A melhor maneira de demonstrar gratidão e amor é aceitar, você mesmo e seu parceiro.

Evidentemente, pode ser uma luta diária não forçar uma situação, corrigindo e “treinando” nossos parceiros. Confie em mim, eu sou obcecada por controle, e muitas vezes tive que morder a língua para não criticar o modo como meu parceiro faz alguma coisa. No entanto, quando faço uma pausa e olho para o contexto, para o valor, a influência positiva e o apoio que meu parceiro me traz, isso supera e muito as falhas. As meditações do Meditopia sobre os relacionamentos me ajudaram, de fato, a acalmar essas vozes críticas. Durante esses sete dias, aprendi a desviar minha atenção da vontade de querer mudar os hábitos dele e a me concentrar na imensa alegria, apoio e amor que sinto. Como disse, não é uma cura da noite para o dia, mas me ajudou a tomar medidas para treinar minha mente sobre como abordar nosso relacionamento.

A gratidão requer prática mas a saúde do relacionamento vale a pena.

Nós falamos sobre algumas abordagens que ajudam a aquecer e manter uma dinâmica plena para os dois, mas nada disso funciona sem tempo ou prática. Do mesmo jeito que damos pequenos passos todos os dias para melhorar nossa saúde, nossa aparência e vida profissional, precisamos também reconhecer que nosso relacionamento, uma parte da vida que tem um impacto enorme em todos os outros aspectos, requer atenção e consideração. Isso não quer dizer que precisamos fazer uma revolução da noite para o dia. O propósito da série de meditação em relacionamentos é dar a você e ao seu parceiro um tempo, não mais do que vinte minutos, para parar, observar a relação e considerar formas de nutrir mutuamente o amor, respeito e apoio um pelo outro.

Como sempre, adoraríamos saber o que você está pensando. O que ajuda você e seu parceiro a manter uma dinâmica saudável? Você e seu parceiro tem linguagens de amor diferentes? O que seria a coisa que você poderia começar a fazer hoje para tornar a sua vida e de seu parceiro melhor?

Clique aqui para começar a série de meditação de Relacionamentos do Meditopia.

Deixe uma resposta