Como melhorar nossa relação com o estresse

Ao mesmo tempo em que o estresse é uma parte inevitável da vida, ele se transformou em um estilo de vida para muitos de nós neste tempo em que vivemos. Com um ritmo intenso de trabalho, preocupações financeiras, ansiedade tanto em relação ao presente quanto ao futuro, listas de tarefas intermináveis e expectativas diversas, o estresse pode criar raízes.

Todos nós temos um pouco de conhecimento quando se trata de estresse, mesmo assim achamos difícil colocar em prática as estratégias de como gerenciá-lo. Nem sempre é fácil ficar calmo quando estamos presos no trânsito tentando chegar a uma reunião muito importante, ou quando um relacionamento romântico está por um fio, ou quando temos boletos para pagar.

A boa notícia é que cabe a nós mudar a nossa relação com o estresse. É possível aceitar o estresse como uma parte natural da vida, entendê-lo em vez de lutar contra ele, descobrir o papel do estresse na nossa vida e continuar andando pelo caminho da vida com o nosso “eu” verdadeiro.

Entenda o estresse

O estresse é a reação natural do nosso corpo a estímulos externos físicos ou psicológicos. A homeostase ou homeostasia, o estado de equilíbrio dentro do nosso corpo, pode ser perturbada quando enfrentamos estresse. O nosso corpo faz mudanças internas para se adaptar ao ambiente externo. O sistema que gerencia essas mudanças é conhecido como o sistema nervoso simpático. Durante momentos de estresse, o sistema nervoso simpático assume o controle e o mecanismo chamado de “lutar ou fugir” entra em ação. Por causa disso, reações em cadeia ocorrem no corpo, como a frequência cardíaca acelerada, a dilatação dos brônquios, o aumento da pressão arterial e contrações musculares. Quando o estressor físico ou psicológico desaparece, o nosso corpo aciona o sistema nervoso parassimpático por meio do comando “relaxar, digerir” transmitido pela mente para o corpo, para voltar à homeostase.

Uma descoberta recente sobre o estresse é o papel crucial que o nervo vago desempenha no sistema nervoso parassimpático. O nervo vago é o nosso nervo craniano mais comprido. Ele envia nervos parassimpáticos para o coração, os pulmões, o estômago, o intestino delgado, o fígado, o pâncreas e muitos outros órgãos. Diferente das reações em cadeia geradas pelo sistema nervoso simpático durante o estresse, o nervo vago tenta regular a respiração, a frequência cardíaca, os músculos, o sistema digestivo, a circulação e até mesmo nossas cordas vocais, para recuperar a homeostasia.

Isso significa que o nosso corpo tem um mecanismo avançado que nos permite agir em momentos de estresse e depois se acalmar. No entanto, esse sistema não é exatamente o mesmo para todos nós. Nem todos nós vivenciamos o estresse da mesma forma e podemos reagir e responder de formas diferentes a vários fatores de estresse. Por exemplo, algumas pessoas sentem o estresse afetar a respiração, enquanto ele se manifesta pela contração dos músculos em outras. Essas variações podem ser moldadas pelos nossos genes e pelas experiências que já passamos.

Como você sente o estresse? Em qual parte do seu corpo você sente o estresse com mais intensidade? Como você responde ao estresse? Responder a essas perguntas pode ser um bom começo para conhecer e entender a sua relação com o estresse.

Descubra o papel do estresse na sua vida

Lembre-se de uma conquista que foi muito importante para você. Tente visualizar todos os detalhes dessa experiência na sua mente, lembre-se de como você se sentiu e tente sentir aquelas sensações que surgiram no seu corpo naquele momento. Agora, lembre-se do caminho que você percorreu para chegar a essa conquista. Será que foi um caminho fácil, suave e curto? Ou foi mais desafiador e cheio de obstáculos? Quais emoções te acompanharam neste caminho? Quais emoções motivaram você? Pense em como o estresse te ajudou naquele processo, como ele contribuiu para o que você conseguiu alcançar.

Será que o fato de você estar estressado(a) significa que você está melhorando, crescendo, alcançando algo novo e explorando os seus limites? Quando ficamos estressados durante uma tarefa difícil, podemos instantaneamente sentir como se algo negativo estivesse acontecendo. A tarefa que estamos fazendo pode parecer impossível, difícil, entediante, assustadora e cansativa. Isso pode resultar na diminuição da nossa motivação e, às vezes, podemos até desistir. A inquietação e o estresse causados por coisas novas podem acontecer por causa do instinto do corpo em se proteger contra uma possível ameaça. Portanto, é natural ficar estressado quando se enfrenta uma tarefa nova e desafiadora, hábitos novos ou responsabilidades novas. Quando estamos fora da nossa zona de conforto, muitas vezes ficamos estressados. Isso só significa que você está tentando fazer algo novo e tentando descobrir o seu potencial e os seus limites. Como disse Adam Braun: “A verdadeira autodescoberta começa onde a sua zona de conforto termina”.

O estresse é uma fonte importante de energia para desbloquear o nosso potencial. Estudos mostraram que o estresse a curto prazo melhora a memória e aumenta o desempenho mental. Também descobriram que o estresse aumenta a nossa resiliência emocional, fortalece os laços sociais e desempenha um papel importante quando determinamos nossas prioridades e propósito de vida. Além disso, o estresse fortalece o nosso sistema imunológico e até nos ajuda a combater doenças.

O estresse cria contribuições importantes para o nosso desenvolvimento e desempenho. Então, como a sua experiência com o estresse pode somar coisas positivas à sua vida? Talvez você tenha descoberto uma nova perspectiva ou conquista por causa do estresse. Tentar responder à pergunta de como o estresse afetou positivamente a sua vida pode te ajudar a entender melhor como o estresse se manifesta em você.

Como gerenciar o estresse

Timber Hawkeye diz: “Você não pode acalmar a tempestade, então pare de tentar. O que você pode fazer é se acalmar. A tempestade vai passar.” Quando nosso corpo e mente estão em harmonia, nós nos sentimos seguros e no fluxo. Assim, não importa a força da tempestade lá fora, podemos experimentar a tranquilidade dentro dos limites do nosso corpo. Então, como alcançamos essa harmonia? As sugestões a seguir podem ajudar:

Meditação

A meditação é uma ótima estratégia que está disponível onde você estiver e sempre que precisar. Além disso, é um dos recursos mais fáceis que você pode acessar atualmente, quando estamos passando cada vez mais tempo em casa. Você pode usar a meditação de três maneiras diferentes para gerenciar o seu estresse:

  1. como parte da sua rotina diária, para auxiliar no desenvolvimento de resiliência emocional contra o estresse;
  2. ela pode ajudar você a manter os pés no chão e encontrar equilíbrio quando uma situação estressante terminar;
  3. ela pode ajudar você a reverter a resposta de estresse no seu corpo para conseguir relaxar fisicamente.

Ao aprender a acalmar o seu corpo e mente, você pode atenuar os efeitos do estresse. Assim, você vai se sentir mais forte e renovado(a). Foi comprovado que pessoas que meditam regularmente sentem menos estresse quando enfrentam as dificuldades do dia a dia e reagem a situações estressantes de forma mais saudável. Além disso, estudos mostram que meditar regularmente reduz o estresse em apenas 8 semanas.

Sorrir

Sorrir

Em primeiro lugar, eu gostaria de falar sobre o meu processo quando escrevi este artigo.

Eu senti muitas emoções enquanto escrevia. A minha primeira sensação foi uma felicidade enorme. A ideia de fazer parte da família Meditopia me deixou muito animada e eu comecei a trabalhar bem rápido. Não foi tão difícil escolher o tema. Eu pensei que seria útil para todos, já que cada um de nós passa por situações de estresse que afetam diretamente a nossa qualidade de vida. Até aí, tudo bem.

Vamos passar para a fase de escrever. Enquanto eu tentava analisar o tema, usar a linguagem correta, encontrar as informações mais úteis para o artigo (que eu comecei com muita animação), a única coisa que eu sentia ao escrever este artigo sobre o estresse era estresse. Depois de pensar um pouco, achei que essa situação era irônica e engraçada. Aí eu ri de mim mesma.

Você acredita se eu te disser que depois daquela pausa com um sorriso, minha mente relaxou, depois minhas mãos se soltaram, que eu tinha fechado sem nem perceber, e as palavras começaram a fluir naturalmente?

Mas por que relaxamos quando sorrimos?

Quando sorrimos, a mente recebe a mensagem: “Tudo está bem, estou seguro”. Isso causa um aumento na liberação de endorfina e serotonina, conhecida como o hormônio da felicidade, enquanto diminui o cortisol e a adrenalina, conhecidos como hormônios do estresse. Por causa de todas essas mudanças naturais na química do cérebro, acabamos nos sentindo melhor e mais felizes.

Talvez você pense: “Como posso rir quando estou estressado?”. Na verdade, não é necessário estar bem o tempo todo para sorrir. Às vezes, podemos sorrir só para ter uma sensação boa. Nós temos o controle desses músculos. A boa notícia é que o nosso cérebro não consegue diferenciar entre um sorriso real e um sorriso fingido. Enquanto você sorri, o seu corpo manda sinais para o seu cérebro de que você está se divertindo, feliz e confortável. O cérebro pressupõe que isso é verdade. Se você quiser tentar fazer isso agora, abra um sorriso suave e natural no seu rosto e espere um minuto. Perceba como você se sente.

Encontre razões para sorrir durante o dia. Leia um artigo engraçado, assista a um filme divertido ou passe tempo com o seu animal de estimação (se você tiver). Essas coisas podem ser a desculpa perfeita para sorrir. Para mim, foram os textos de humor nas mídias sociais que me ajudaram a diminuir o estresse e a ansiedade que senti durante a pandemia.

Escute o seu corpo

mulher se abraçando

O nosso corpo reflete nossos pensamentos e sentimentos. Em outras palavras, o que o nosso corpo sente nos dá informações importantes sobre nós mesmos e nossas necessidades.

Quando estamos estressados, contraímos muitos músculos sem nem perceber. Na verdade, o corpo faz isso por reflexo, como forma de preparação contra lesões e dores que podem acontecer quando há uma ameaça. Os pequenos momentos de estresse pelos quais passamos na nossa rotina diária também afetam nossos músculos, causando dor física e desconforto com o tempo.

Às vezes, achamos que essas dores não são importantes ou que podemos continuar seguindo. No entanto, é importante ouvir as mensagens que o corpo manda para entender o que estamos sentindo.

Bem, o que o seu corpo está dizendo hoje?

A forma mais curta de se comunicar com o seu corpo é por meio da respiração. Você pode pensar na respiração como uma ponte entre você e o seu corpo. Cada vez que respira, você se conecta um pouco mais com o seu corpo, ficando mais perto de si mesmo(a). Para ter essa experiência, tente fazer o exercício de respiração abaixo.

Você pode deixar o seu foco passear pelas partes do seu corpo enquanto inspira fundo e expira. Observe o seu corpo com curiosidade e compaixão. Perceba a sua respiração enquanto escaneia os músculos faciais, pescoço, ombros, braços, mãos, costas, cintura, peito, coração, abdômen, quadril, pernas e pés. Ouça as mensagens do seu corpo.

É possível fortalecer a sua relação com o seu corpo, percebendo as sensações físicas e observando as mudanças que acontecem. A força dessa relação te dá equilíbrio e resistência quando lida com emoções desafiadoras, como o estresse.

Lembre-se de que cada um de nós é único. Portanto, a forma de sentir o estresse, de responder a ele e o que nos faz bem também são diferentes para cada pessoa.

Então, o que faz bem para você? Você pode compartilhar conosco?

 Tradutora: Mariana Ciocca Alves Passos

Leave a Reply