Calma em meio ao Caos: Buscando nossa paz interior em momentos estressantes

A vida √© como uma bela tape√ßaria; as nossas hist√≥rias individuais s√£o compostas de in√ļmeros fios entrela√ßados que criam a nossa experi√™ncia. Na frente vemos uma obra de arte colorida e vibrante. Atr√°s, vemos as imperfei√ß√Ķes ‚Äď partes um pouco gastas, fios sobrepostos, n√≥s que se seguram, erros escondidos do olhar do observador. Para mim, √© a analogia perfeita para a obra-prima das nossas vidas, cada uma com dias bons e maus, alegrias e tristezas, paz de esp√≠rito e peso do cora√ß√£o. Precisamos tanto dos pontos emaranhados como dos fios perfeitamente costurados para dar forma, significado e estrutura √† nossa obra de arte.

Todos nós preferimos quando as coisas estão indo a nosso favor, mas uma parte essencial da vida é aprender a navegar pela tempestade, mantendo a calma e ancorados em meio ao caos. Quando a vida interrompe nossa paz de espírito e nos traz desafios, como inevitavelmente acontece, sempre temos a tendência de virar as costas e resistir. Medo, dor, perda e luto são sentimentos que ninguém gosta de sentir, então ao invés de olhar para eles e para a ansiedade e estresse que podem causar, nós tentamos não lidar com eles na esperança que desapareçam. O problema é que quando resistimos, entramos em conflito com a realidade e acabamos dando mais poder para esses sentimentos.

O caminho para a paz come√ßa quando encaramos esses sentimentos e permitimos que eles venham e v√£o, sem a necessidade de control√°-los. Se pudermos chegar perto deles, mesmo nas circunst√Ęncias mais dif√≠ceis, com a disponibilidade interna de permanecer com a experi√™ncia e verdadeiramente aceit√°-la, nos abrimos para a possibilidade de desembarcarmos no momento presente com paz e serenidade. Em outras palavras, precisamos continuar a construir nossa vida com paci√™ncia e resili√™ncia, confiando no que o universo nos trar√°.

Aceita√ß√£o n√£o √© resigna√ß√£o, pelo contr√°rio, √© ativa e comprometida. N√£o quer dizer que n√£o devemos desejar que nossas experi√™ncias sejam diferentes no futuro. Simplesmente quer dizer que reconhecemos nossa maneira de ser aqui e agora. Quando aceitamos, quando podemos admitir que estamos com medo, ansiosos, sobrecarregados ‚Äď damos voz a esses sentimentos mais complicados. Criar espa√ßo para que eles venham para a superf√≠cie, com coragem e honestidade, √© o primeiro passo para permitir que eles se dissipem. Onde h√° movimento, h√° esperan√ßa de libera√ß√£o. Abrir m√£o do nosso controle sobre estes sentimentos √© uma experi√™ncia fortalecedora porque no permite ficar menos identificados com eles. Nos mostra uma estabilidade em rela√ß√£o √†s flutua√ß√Ķes da mente, uma dist√Ęncia dos nossos pensamentos que pode ser muito poderosa durante os momentos de stress.

Desenvolver práticas confiáveis que nos nutrem durante esses momentos de conflito interno é essencial para nosso auto-cuidado. Quando me sinto entrando numa espiral e sei que preciso dar prioridade a mim mesma, busco um lugar tranquilo e me refugio em minha respiração. Não precisa ser um lugar especial. O estresse e a ansiedade não esperam até que seja conveniente para aparecer. Seu santuário pode ser o banheiro, seu carro ou quarto.

A pr√°tica:

1) Sente-se numa posição confortável, sem pressa, ou deite-se de costas. Feche os olhos, sinta o seu corpo e preste atenção em cada parte dele. Note como está se sentindo e como está sua atenção. Lembre-se de se permitir estar exatamente como está e abrir mão do controle e do desejo de que as coisas sejam diferentes.

2)  Coloque sua m√£o direita sobre a barriga e a esquerda no cora√ß√£o e traga sua aten√ß√£o para os movimentos da respira√ß√£o. Em princ√≠pio, s√≥ observe. Note a velocidade, a profundidade e o ritmo. Observe onde a respira√ß√£o √© mais intensa (talvez no nariz ou no peito). Ent√£o, devagar traga a aten√ß√£o ao seu nariz e permita que ela se expanda no seu peito. Sinta o ar levantar suas costelas e barriga na inspira√ß√£o e esvaziar na expira√ß√£o. Sinta o ar encher seu corpo na inspira√ß√£o. Deixe seu corpo pesar e suavizar na expira√ß√£o. Fa√ßa isso por v√°rios minutos sentindo seu corpo fluir com as ondas da respira√ß√£o e te acalmar.

3- Preste aten√ß√£o nos movimentos da respira√ß√£o e tire um momento para refletir no que voc√™ gostaria de expressar. Entre em contato com a fonte do seu conflito interno e note se voc√™ est√° resistindo a alguma coisa e como isso atrapalha sua paz interna. D√™ espa√ßo para expressar livremente seus pensamentos sentimentos e emo√ß√Ķes. Note como isso aparece no seu corpo e fique presente na sensa√ß√£o. Permita sua intensidade quando voc√™ inspira e veja ela se dissipar devagar quando expira. Continue com essa pr√°tica at√© que consiga aceitar completamente as sensa√ß√Ķes. Ao inv√©s de ‚Äúdeixar ir‚ÄĚ, apenas ‚Äúdeixe que sejam‚ÄĚ.

4) Quando sua mente tiver se acalmado, convide a quietude e amplitude para ficar em sua paisagem interior. Imagine um estado de esp√≠rito, onde, a qualquer momento, voc√™ pode facilmente acessar seu dep√≥sito de paz interior. Um ambiente onde uma sensa√ß√£o de calma flui naturalmente e ao qual voc√™ pode retornar rapidamente quando quiser. Permita que esta sensa√ß√£o inunde seu corpo e se perca nas ondas de relaxamento. 

5) Quando sentir que est√° pronto, gradualmente, traga sua aten√ß√£o de volta √† respira√ß√£o… inspire profundamente e expire completamente pelo nariz. Traga o foco para o espa√ßo do seu cora√ß√£o, oferecendo a si mesmo um momento de amor e compaix√£o.  Mais uma vez, sinta as m√£os subindo e descendo com o movimento da respira√ß√£o. Sinta-se seguro, apoiado e reconhecido. Ao terminar sua medita√ß√£o, abra os olhos.

Que essa pr√°tica possa ser uma fonte de apoio mental e que te traga momentos de descanso e tranquilidade. 

Conte para a gente se essa meditação te ajudou.

Angela Boltz

www.barefootbecause.com

Traduzido por: Flavia Totoli

Deixe uma resposta