Gestão da raiva para quem acha que não fica bravo

Se você é como eu, provavelmente fica com inveja de pessoas que nunca ficam com raiva. Você também pode ficar surpreso que pessoas como estas existam. Você pode ter tentado entendê-las ou mesmo já perguntou com ceticismo “Como pode alguém como eu ou você nunca sentir raiva? Como isso é possível?” Você está certo em ser cético, pelo menos em algum nível. Porque não é que essas pessoas não sintam raiva – é que elas a experimentam de maneira diferente.

Gestão da raiva para as pessoas que acham que não ficam bravas

Você pode até achar que as pessoas que dizem não sentir raiva tenham tido seu “sistema nervoso retirado”. Porém, uma coisa dessas, é simplesmente impossível. Sim, é possível retirar sua amígdala se você realmente quiser. O neurologista Joseph Ledoux fez isso com um paciente – mas se livrar somente a raiva é impossível, seu paciente acabou perdendo também quase todas suas emoções. O paciente perdeu sua conexão emocional com a vida, sua identidade social e começou a viver de maneira muito isolada. Ele nunca mais sentiu raiva, mas também nunca mais ficou alegre…

Essa história é um bom ponto de referência para pensar nas pessoas que achamos que nunca ficam com raiva. Mas então, qual é o segredo dessas pessoas?

Vamos ver algumas maneiras pelas quais estamos mascarando nossa raiva.

gestão da raiva

Estamos disfarçando nossa raiva?

A resposta mais provável de porque a maioria de nós e das pessoas ao nosso redor, não demonstra sua raiva é que estamos disfarçando nossos sentimentos. Existem situações em que não queremos demonstrar nossa raiva, como por exemplo quando estamos tentando impressionar alguém no trabalho ou num evento. Muitas vezes, nós associamos o sentimento de raiva com a demonstração do nosso estresse e frustração. Então, achamos que a raiva em si mesma é uma coisa ruim e tentamos escondê-la. Mas isso significa que não a sentimos? Será que o segredo do gerenciamento da raiva é aprender como embrulhar a raiva e guardá-la numa gavetinha? Será que nos tornamos pessoas melhores quando fazemos isso?

Podemos parecer muito gentis nessas ocasiões, mas na realidade estamos construindo torres enormes de raiva dentro de nós. No final da contas ou vamos explodir com alguma coisa ou vamos escondê-la e deixar que elas nos envenene. As duas opções não são saudáveis para nossa saúde física e mental. Pense na última vez que você reprimiu sua raiva por muito tempo, ela simplesmente se dissolveu ou ficou pesada e mais difícil de carregar?

Expectativas baixas podem ser a resposta para não sentir raiva?

Todo mundo que tem um grupo de amigos sabe que sempre tem alguém ali que parece que nunca fica bravo. São pessoas muito “relaxadas” que tem expectativas muito baixas – o tipo de pessoa que parece não se abalar, não importa o que aconteça. Podemos descrevê-los como “tranquilas”, “maduras”, ou “adaptáveis”. Mas será que elas não sentem raiva mesmo? Nem um pouquinho de ressentimento e frustração escondidas? Ou a raiva que sentem é tão pequena que simplesmente não percebemos? Provavelmente não percebemos porque eles vivenciam a raiva em graus mais baixos que a maioria, porque baixaram suas expectativas e aceitaram que as coisas nem sempre acontece como gostariam. 

gestão da raiva

Problemas emocionais

O problema emocional e psicológico que muitos de nós lida atualmente é a depressão. A depressão pode se manifestar de maneiras diferentes. Quando estamos deprimidos, tendemos a nos isolar e nos distanciar do que estamos realmente sentindo ou experimentando. É como se as coisas que acontecem a nossa volta, sejam positivas ou negativas não nos afetasse. E não é só a raiva que não nos afeta nesse estado: também não sentimos felicidade, alegria ou surpresa. Estar entorpecido em relação as nossas emoções não acontece de maneira seletiva, não é possível só não sentir dor, raiva ou tristeza sem se privar também do nosso potencial para alegria, amor e conexão.

Todos os caminhos levam a consciência

Se você se considera uma pessoa que não sente raiva frequentemente, provavelmente se encaixa em alguma das três situações descritas acima. Quero ressaltar que não há vergonha em reconhecer a maneira pela qual lidamos com a nossa raiva. Muitos de nós usa técnicas para gerenciar emoções desconfortáveis. O que a meditação e a atenção plena (mindfulness) nos permite fazer, é nos tornarmos mais conscientes dessas emoções desconfortáveis e assumí-las. Sim, assumí-las. Somos capazes de vivenciar diversas emoções, como raiva – se não tivermos retirado nossa amígdala, claro – e todos estamos no caminho para aprender a lidar com elas. Então, vamos rever algumas das razões pelas quais não devemos reprimir nossa raiva: 

  • Você não precisa sempre disfarçar sua raiva. Conforme você aprende maneiras melhores de comunicar suas frustrações e fontes de raiva, vai perceber que existe uma maneira efetiva de falar sobre suas emoções sem machucar aos outros, ser violento ou mesmo gritar. Além disso, conforme aprendemos essas técnicas e começando a aplicá-las com as pessoas ao nosso redor, ficaremos satisfeitos em perceber que o problema não é sentir raiva, mas o modo como a demonstramos.
  • Em relação a expectativas: você não precisa ter expectativas mais altas do que tem agora se não quiser. A escolha é sua. Mas o fato de ser uma pessoa gentil quer dizer que nunca sinta raiva? Você nunca sente a raiva de maneira profunda, ou você acredita que a raiva é desnecessária? Viver uma vida pacífica não quer dizer não sentir raiva. Você pode ter um espaço para a raiva, mesmo quando está em paz.
  • Para quem está deprimido, pode ser mais atentos ao fato que nosso estado de espírito pode muitas vezes mascarar e entorpecer nossas emoções, incluindo a raiva. Então, se você sente que nunca fica com raiva e sabe que está lidando com depressão, pode ser uma boa ideia ir mais fundo para entender e lidar com suas emoções.
gestão da raiva

Consciência e Meditação

Tem um outro grupo de pessoas que parecem não sentir raiva com facilidade. Essas pessoas se tornaram mais conscientes de suas próprias emoções através da meditação regular. Não podemos achar que nunca vamos viver momentos que nos despertem frustração e raiva, mas a prática de mindfulness e da meditação, nos ajuda a aprender como passar por essas experiências com integridade, clareza e um senso de calma.

Isso acontece porque a meditação nos mantém presentes e mais conscientes do que estamos vivendo no momento. Nos ajuda a notar o que estamos prestes a fazer, antes de fazermos, não importa se é dizer algo que vai machucar ou mesmo levantar a mão para alguém. Conforme você continua a meditar e reflete sobre como reage a raiva, você também começa a aprender a se segurar e fazer ajustes em como responde e processa sua raiva.  

E agora queremos saber de você! Você já se percebeu disfarçando sua raiva? Ou talvez você vive com a ideia de que expectativas baixas, não sente raiva com tanta frequência. Se você está passando por uma depressão, como isso impacta a maneira pela qual sente raiva?

E por fim, você daria alguma sugestão sobre como lidar melhor com a raiva?

Traduzido por: Flavia Totoli

Deixe uma resposta