Não Deixe Seu Ego Interferir No Seu Propósito de Vida

Traduzido por: Flavia Totoli

É comum dizer que a vida passa diante de nossos olhos antes da morte. Então, seria muito triste se percebêssemos só nesse momento, que poderíamos ter atingido nossas metas de vida. Você pode entender que o “você” que você conhece, não é o seu eu verdadeiro, que o seu eu de verdade finalmente se revelou. Seu ego, a energia que você carregou por toda a vida não vai te seguir para sempre. Mas isso quer dizer que você cometeu um erro ou a verdade é que você só não percebeu?

Todos nós temos propósitos de vida específicos que são únicos para cada pessoa. Às vezes até duvidamos que isso exista. Imaginando se a vida realmente tem um propósito ou se deveria ter um. Porque estamos vivos, se vamos morrer? Descobrimos o propósito da nossa vida mais tarde ou já nascemos com ele? Parece que quando falamos desse assunto, temos mais perguntas do que respostas. Será que o propósito da nossa vida é descobrir o propósito da vida? E qual o papel do ego em tudo isso?

Quais as respostas que você já encontrou?

Provavelmente você já se perguntou em algum momento: Porque estou vivo? Essa pergunta surge nas nossas mentes quando estamos num beco sem saída, quando as coisas não saem conforme planejamos… A resposta para essa pergunta é muito pessoal. Alguns de nós sente que a vida não tem nenhum sentido. Outros podem achar respostas que os satisfaz naquele momento e se jogam no trabalho. Isso os mantém vivos e lhes dá força. Mas, uma vez que atingem suas metas, se deparam com outro dilema: já alcançaram o que queriam e podem relaxar ou querem ainda mais. O caminho que escolhemos, muitas vezes é delineado pelo nosso ego. As coisas que queremos fazer, os lugares que queremos pertencer, as coisas que queremos ter ou mesmo as pessoas com quem queremos estar.


Dizer que o propósito da sua vida é ser feliz, é viver de acordo com o ego.

“O propósito da vida é ser feliz”

A ideia de que a felicidade é a meta que precisamos atingir em todas as áreas da nossa vida é perigosa, simplesmente porque não é realista. Precisamos concordar que encontrar felicidade não pode ser o único propósito da vida. Ninguém encontra felicidade olhando por aí, e a felicidade não é um sentimento que pode trazer significado para a vida. Dizer que o propósito da sua vida é ser feliz, é viver de acordo com o ego.

Você pode estar pensando: “Como é que querer ser feliz pode ser uma coisa ruim?” Mas considere o que “querer ser feliz” significa para o nosso ego. Pode querer dizer ter uma boa carreira, estabilidade financeira, um carro, roupas bacanas, um apartamento, sucesso, relacionamentos agradáveis… O ego está no plano de fundo de tudo isso. Mas nada disso é permanente, são coisas que nos trazem uma sensação transitória de prazer. Nos acostumamos a essas coisas, mas em algum momento elas deixam de ser suficientes e queremos mais. “Você só consegue satisfazer seu ego temporariamente. Você, portanto, sempre irá querer mais, comprar mais, consumir mais”. [1]

Enquanto a felicidade não deveria ser nosso objetivo final, pode ser uma ferramenta para prolongar nossa vida. Então, como cultivamos a felicidade? Através da prática da aceitação, compaixão, gratidão e compartilhando momentos bons e ruins com quem amamos. Essas emoções são desprovidas de ego, não são transitórias e não precisamos ir atrás delas. O que quero dizer é que não praticamos gratidão para sermos felizes, a felicidade acompanha a gratidão naturalmente, quase que como um presente.

“Se eu pudesse me livrar do meu ego”

“Eu seria muito feliz”. É seu ego falando de novo. É o ego apresentando um objetivo, apesar de saber que é impossível de atingir. É um outro beco sem saída.

Então, vamos combinar: não é possível nos livrarmos dos nossos egos. Ele sempre será parte da gente. No momento que você começar a notar seu ego, no entanto, você começará a se despir de suas camadas. Muitos de nós acredita que as vozes que escutamos na nossa cabeça são parte de quem somos, quando na verdades são partes do nosso próprio ego.

É possível viver sem um propósito na vida?

Por séculos, filósofos, cientistas e teólogos, tentaram responder essa pergunta, mas nunca se chegou a um consenso. Alguns dizem que a vida não tem significado. Outros, que o propósito da vida deveria ser descobrir o propósito da própria vida. E outros que o propósito é a devoção ao divino. E há os que dizem que a vida é “só para ser vivida”.

Uma coisa que todos podemos concordar é que nosso propósito biológico é nos mantermos vivos e garantir a continuação da raça humana. Uma coisa que parece ser muito real é que nossos objetivos pessoais dão forma ao nosso propósito de vida. Quer tenhamos percebido ou não, todas as nossas escolhas, desde qual faculdade fazer, quem será nosso marido ou esposa, trabalho, ter filhos, como iremos criá-los, tudo isso vai de encontro com nossas metas pessoais. Passamos a vida construindo uma miríade de quereres, preferências, objetivos e metas que são preciosos para nós e mesmo assim, as vezes, achamos que as coisas não estão saindo como gostaríamos. Então nós tentamos nos ajustar, baseados nos caprichos dos nossos egos. E dessa forma perdemos a chance de explorar e aproveitar o que já construímos. E quando percebemos, muitas vezes já é tarde demais.

Como encontrar nosso propósito de vida

Quem somos enquanto indivíduos nem sempre é claro para nós. Descobrimos na hora certa, quando aprendemos mais sobre nós mesmos, sobre como nos comportamos, como agimos e reagimos a certas situações. Em relação a como nosso ego de desenvolve junto conosco, nunca podemos estar sem ele, mas podemos estar mais conscientes dele. Nosso propósito de vida pode então ser criar um mundo onde não somos definidos por rótulos ou pelas relações de possessividade que temos com os outros.

Precisamos reconhecer que nunca conseguiremos destruir nosso ego. O que podemos fazer é perceber sua influência em nossas decisões, resistir decisões baseadas em caprichos e ficar confortáveis com o desconforto que pode ser viver de acordo com o que queremos e não como que nosso ego quer. Quanto mais consciência tivermos da influência de nosso ego sobre nós mesmos, mais fácil será tomar decisões e viver de uma maneira que nos traga paz de espírito e clareza.

Se refletirmos sobre a nossa morte e reconhecermos que ela é nos mostra tudo aquilo que nós não somos, veremos que o segredo da vida é “morrer sem morrer” e perceber que a morte não tem o significado que pensamos, como diz Eckhart Tolle. Talvez isso te ajude com suas ideias sobre o propósito da vida e crie mais consciência em relação a como seu ego e o significado da vida podem estar ligados de forma positiva ou não.

Como sempre, em assuntos como esse, podemos abordá-los de maneiras diferentes, e adoraríamos saber o que você pensa sobre essa questão.

O blog do Meditopia é um lugar para a contemplação, discussão, debate e compartilhamento de experiências de vida e sabedoria. Conte para a gente  o que você achou desse artigo nos comentários!

[1] Var Olmanın Gücü, Eckhart Tolle

Deixe uma resposta