Porque saber sobre integração sensorial pode fazer bem para sua saúde

As pessoas vivenciam o mundo através dos sentidos, que são as portas que nos permitem receber informação e fazer sentido dos ambientes. Para que o cérebro possa organizar as informações que provém de nossos corpos e do ambiente e interpretá-la adequadamente, ele tem que passar por uma destas portas sensoriais. Este processo neurobiológico inato é conhecido como integração sensorial.

Além dos 5 sentidos com os quais estamos mais familiarizados – visão, audição, olfato, paladar e tato – existem 3 sentidos adicionais que afetam nossa capacidade de participar plenamente de nossas vidas diárias. A terapeuta ocupacional e psicóloga, Anna Jean Ayres, pioneira na pesquisa no campo do processamento sensorial há quase 50 anos, introduziu os termos propriocepção, vestibular e interocepção. Ela afirmou que, embora esses sentidos sejam projetados para nos apoiar, todo o nosso sistema pode ficar desregulado se um ou mais desses sistemas sensoriais tiverem uma resposta hiperativa ou sub ativa ao estímulo. Com sua pesquisa, ela desenvolveu terapia de integridade sensorial que inclui exercícios especiais com o potencial de fortalecer o senso de equilíbrio do paciente (vestibular), senso de tato (tátil) e senso de como o corpo se relaciona com o espaço (proprioceptivo).

Como a integridade sensorial afeta nossa saúde?

Segundo Ayres, a base do nossos sistema sensorial são: vestibular, propriocepção (e intimamente relacionado com o senso do tato), e a interocepção, cada um deles provendo uma informação específica e única ao cérebro, onde serão integrados e organizados:

O sistema vestibular serve de apoio a nossa capacidade de manter a postura corporal, orientação espacial e equilíbrio. A palavra “vestíbulo” significa entrada ou antecâmara. É a antecâmara do nosso cérebro e está localizada em nossos ouvidos. Começa a desenvolver-se no útero e é o único dos nossos sentidos que funciona plenamente ao nascer. É vital para a sobrevivência, porque detecta e inicia  movimentos para manter o equilíbrio e permite que nos adaptemos ao nosso ambiente. O sistema vestibular é alimentado através de diferentes meios como saltar, girar e balançar.

A propriocepção é o sentido que se relaciona com uma conexão entre nosso cérebro, músculos, esqueleto e tecido conjuntivo. Ela regula o auto-movimento e a posição do corpo, permitindo que uma pessoa se mova livre e eficientemente sem pensar conscientemente sobre isso. Atividades que requerem alguma forma de resistência, como puxar, empurrar ou aplicar pressão, geralmente envolvem este sentido. Assim como nosso sistema vestibular, nossa propriocepção precisa ser alimentada de várias maneiras. Tudo, desde nossa habilidade de descer escadas sem olhar ou quebrar um ovo, envolve a propriocepção. 

O sentido do tato está intimamente relacionado com a propriocepção. Somos seres táteis e a forma pela qual interagimos com o mundo que nos rodeia é através do toque. Este ato envolve a aplicação de pressão ou força conforme necessário. As áreas do corpo mais sensíveis ao toque são as nossas mãos, pés, língua e lábios. Tudo é mais intenso quando sentimos as coisas com estas partes do nosso corpo. 

Finalmente, a interceptação refere-se à nossa ligação com a condição fisiológica interna dos nossos corpos – o que sentimos dentro de nós, como o intestino, bexiga, órgãos reprodutivos e rins. Relaciona-se com experiências como fome, sede, necessidade de urinar, libido, falta de ar, coceira, temperatura corporal, felicidade, tristeza. Somos capazes de alcançar um equilíbrio interior através da interocepção. 

Sentidos Desregulados

O trabalho de Ayres se concentrou em compreender esses sentidos adicionais, pela lente do desenvolvimento da criança porém, a disfunção da integridade sensorial pode ocorrer durante nossa vida adulta. Quando há um problema com a nossa intercepção, sistema vestibular, propriocepção ou sentido de tato, podemos sentir  seus efeitos ao longo das nossas vidas. Por exemplo, o que chamamos de “imperícia” é realmente um desequilíbrio em nosso sistema sensorial. Um desequilíbrio em nossos intestinos muitas vezes diminui nosso equilíbrio interno. Atividades como lavar a louça, caminhar e se vestir exigem que usemos ambos os lados do corpo e dependamos de nossa propriocepção, sistema vestibular, senso de tato, visão e audição. 

Como regular nossos sentidos?

Os tipos de estímulos que nosso cérebro recebe são cruciais para a saúde dos nossos sentidos. Assim como existe uma diferença entre simplesmente comer massa todos os dias e consumir uma dieta variada, composta por proteínas, grãos e vegetais, nossos sentidos também necessitam de diferentes fontes de estímulo para uma boa saúde. Atender às necessidades dos nossos sistemas sensoriais permite que o nosso sistema nervoso funcione de forma ótima.

Uma maneira saudável de alimentar o sistema vestibular, é imaginar quais tipos de movimentos parecem nutritivos para o corpo e praticá-los quando você precisa de um impulso de energia. Se você gosta de girar, gire várias vezes em sua cadeira de escritório. Permita que essa sensação regule os seus sentidos. Também é importante evitar movimentos que você não gosta. Por exemplo, se você não gosta de saltar, evite permitir que alguém o agarre pela mão e o force a saltar. Isso poderia potencialmente prejudicar seu sistema vestibular, em vez de ajudá-lo. 

A propriocepção se reforça ao ouvir sinais sobre de que forma o corpo quer se mover. Se você gosta de dança do ventre, deixe-se explorar. Podem ser as necessidades cinestésicas do seu corpo que o alertam. Com o tempo, essas necessidades irão mudar. Se você prestar atenção, talvez você esteja jogando tênis de mesa regularmente em vez de dançar daqui a 5 anos.  

Nós temos também necessidade de sentidos comuns

Por mais variadas que sejam nossas necessidades sensoriais, compartilhamos alguns pontos em comum com o resto da humanidade. Quando nosso sistema nervoso está estressado, por exemplo, certos sentidos nos relaxam: uma profunda sensação de prazer, propriocepção, vibrações e movimentos vestibulares horizontais. Estas quatro coisas podem ajudar a restaurar a sensação de tranquilidade e relaxamento. Imagine mover sua mão rápida e automaticamente quando um cão tenta mordê-la. Fugir nesse momento é propriocepção. Tremores depois de uma situação perigosa, quando está fora de perigo imediato é a tentativa do corpo de acalmar com vibrações. Segurar a área onde os dentes roçaram a mão e comprimir a ferida é pressão. Balançar para frente e para trás nesse momento é um exemplo de movimento vestibular horizontal. Nenhuma destas coisas são movimentos conscientes, mas estão todas relacionadas aos nossos sentidos e trabalham em conjunto para proporcionar calma. 

Escute seu corpo

O sistema sensorial é o nosso guia através da vida. Ele nos dá pistas para nos alertar sobre o que mais precisamos. Portanto, prestar atenção a esses sinais é a chave para manter nossa saúde. Que tipo de movimento é bom para você? Observe e escolha com sabedoria. Com o tempo, você perceberá que a vida se tornará muito mais agradável.

Tradutor: Flavia Totoli

Deixe uma resposta